Sobre “O segredo de Xangai”

AtmosferaEscolar EducaçãoBásica opinião 29 de junho de 2018

FACEBOOK TWITTER

Ao ler o texto de Raquel Oliveira “O segredo de Xangai” neste Blog o que mais me chamou a atenção foi sua conclusão:

O que eu trago na bagagem? A descoberta de que, em Xangai, o “pensar fora da caixa” não é um caso de inovação. Para eles, não há caixa. Há esforço, foco e autogestão. O senso de propósito é presente em todos.

Inovação, escola inovadora, inovação em educação. Tanto se fala em inovação! Mas, o que significa mesmo inovar?

E vou buscar no dicionário Aurélio – aquele volume grande, impresso em 2008, em sua 4ª edição – seu significado. Inovação: ato ou efeito de inovar; novidade.

Em Educação, a expressão inovar, me parece, tem se revestido de um valor inexorável, no sentido de que inovar significa sempre superar algo que é inadequado e obsoleto; mudar para melhor.

E como mudar sem “pensar fora da caixinha”? Eu mesma sempre pensei dessa forma!

E aí, vem a Raquel e me conta que “não há caixa”!

Fiquei pensando nas tais caixinhas e imaginei a seguinte situação:

Na escola A há uma caixa chamada avaliação. Nela, há calendários de semanas de provas, notas de 0 a 10, provas mensal e bimestral/trimestral, exames finais, boletins, e até mesmo um tratado sobre o que os pais esperam da avaliação nessa escola anexado à lista do ranking do Enem etc.

Na escola B, também há uma caixa chamada avaliação. Não há calendários de semanas de provas, nem notas de 0 a 10, nem provas e exames. Mas há objetivos relacionados às habilidades e competências dos alunos e seus professores, há reflexões sobre os dilemas e julgamentos de cada professor. Podemos encontrar nessa caixa também referências de estudiosos sobre o assunto, teoria e leis que subsidiam a prática avaliativa nessa escola, entre tantas outras coisas.

Mesmo sendo duas caixas sobre o mesmo assunto, elas têm conteúdos tão diferentes! E, como se elas fossem tesouros que precisam ficar devidamente guardados a sete chaves, dificilmente alguém as abre.

Acredito que aí está o maior desafio das escolas que querem inovar: abrir suas caixinhas para ver o que têm dentro e selecionar o que pode ser mudado. E qualquer que seja a ação da escola A ou da escola B, se for no sentido de trazer algo novo, elas estarão inovando.

Talvez este seja o primeiro passo para eliminarmos as tais caixinhas desse jogo.

Pelo menos eu vou começar a pensar assim, daqui pra frente: eliminar as caixinhas. Valeu Raquel, valeu UNOi!

Marcia Braghini Deus Deu

Marcia Braghini Deus Deu

Educadora com mais de trinta anos de experiência, é avessa ao comodismo. Sua paixão pela educação se traduz na coragem para sempre inovar.

Posts Relacionados

Copa Turing – Inscrições Abertas

Seus professores devem estar utilizando o programa Turing: A lógica de programação. O recurso foi lançado este

CopaTuring Programação Projetos Turing

1 dia

TEDxEspinheiroED no Colégio Saber Viver

Você, com certeza, já viu algum TED Talk, ou pelo menos já ouviu falar deles. Muitos deles já contam com milhõ

Escola Evolução RedeUNOi TEDxEspinheiro

1 semana

Currículo e negócio

A nova Base Nacional Comum Curricular incentivou muitas escolas a lançarem um novo olhar para os seus currículos

BNCC Curriculo Escola EvoluçãoUNOi

2 semanas

Comentários